11 dicas de Harvard para Ajudar a Vida do Casal

Apresentamos aqui uma lista com dicas facilmente aplicáveis, elaborada pela Escola de Medicina da Universidade Harvard, que apesar de mirar casais mais velhos, são úteis para pessoas de todas as idades.

1. Informe-se

Há muito material de autoajuda disponível sobre problemas a dois. Procure o que mais se aplica a você e garanta que vocês estejam bem informados.

Se parecer pesado falar disso cara a cara, vocês podem mostrar um ao outro as passagens que acharem mais interessantes.

2. Dê tempo ao tempo

À medida que envelhecemos, os reflexos ficam mais lentos. É mais fácil conseguir chegar lá no final num ambiente confortável, tranquilo e sem interrupções.

3. Lubrifique-se

É comum que a transição para a menopausa seja acompanhada por secura, o que pode ser resolvido com lubrificante.

4. Seja uma pessoa afetuosa

Ainda que alguns problemas preocupem o casal e gerem tensão, abraços e beijos são essenciais para manter vínculos emocionais e físicos.

 

5. Pratique o contato

Muitos terapeutas indicam técnicas de contato sensorial para recuperar a intimidade física sem sentir pressão. A ideia é que o casal toque um ao outro enquanto cada um se concentra em suas percepções.

6. Experimente ser criativo

Procurar fazer algo diferente ajuda a despertar novas experiências e aflorar a mente…

7. Escreva suas fantasias

O negócio é explorar coisas que ache que serão uteis para você ou para a pessoa com quem está.

Por exemplo, pense em situações que vão ajudar e as descreva.

8. Experimente andar descalço

Sim, por incrível que pareça andar descalço e sentir a natureza, vibração da terra e sua energia desestressa e deixa o ser humano mais cheio de energia boa.

9. Relaxe

Faça algo que te acalme e que te faça sentir bem antes, como sair para jantar ou praticar exercícios de relaxamento, como os de respiração.

10. Faça caminhada

A caminhada ajuda a relaxar, expelir toxinas do corpo e é um bom exercício cardíaco.

 

11. Não se renda

Se mesmo tentando tudo isso a situação não melhorar, não entre em desespero. Procure um médico para que ele possa ajudar ou indique um terapeuta que identifique o que está acontecendo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *